viernes, 23 de enero de 2009

Elegia multipla V (fragmento); Herberto Helder


Não se canta e floresce. Ninguém
amadurece no meio da sua vida.
Toca-se lentamente uma parte suspensa do corpo,
e a alta tristeza purifica os dedos.
Porque um homem não é uma canção fria ou
uma roseira. Não
é um fruto como entre folhas inspiradoras.
Um homem vive uma profunda eternidade que se fecha
sobre ele, mas onde o corpo
arde para além de qualquer símbolo, sem alma e puro
como um sacrifício antigo.

—Por sobre frias canções e roseiras aterradoras,
minha carne ligada nutre o silêncio maravilhoso
de uma grande vida.

Pode ser que tudo esteja bem no plural
de um mundo intenso. Mas
o amor é outro poder, a carne
vive de sua absorta permanência. Esta vida
de que falo
não se escoa, não alimenta os superlativos
diários. É única
e perene sobre a escondida fluência
dos movimentos.

___________—Uma roseira, mesmo
incomparável, cobre tudo com a sua distracção vermelha
.Por detrás da noite de pendidas
rosas, a carne é triste e perfeita
como um livro.
_________________________________


No se canta y se florece. Nadie
madura en medio de su vida.
Se toca lentamente una parte suspendida del cuerpo,
y la alta tristeza purifica los dedos.
Porque un hombre no es una canción fría o
un rosal. No
es un fruto como entre hojas inspiradoras.
Un hombre vive una profunda eternidad que se cierra
sobre él, pero donde el cuerpo
arde más allá de cualquier símbolo, sin alma y puro
como un sacrificio antiguo.

—Por encima de frías canciones y de rosales aterradores,
mi carne unida nutre el silencio maravilloso
de una gran vida.

Puede ser que todo esté bien en lo plural
de un modo intenso. Pero
el amor es otro poder, la carne
vive de su absorta permanencia. Esta vida
de que hablo
no se escapa, no alimenta los superlativos
diarios. Es única
y perenne sobre la escondida fluidez
de los movimientos.

________________—Un rosal, aun siendo
incomparable, lo cubre todo con su distracción roja.
Tras la noche de colgantes
rosas, la carne es triste y perfecta
como un libro.


Traducción de Jesús Munárriz:
O el poema continuo (Ou o poema contínuo)
poesía Hiperión, 2006
Págs. 21-23

No hay comentarios.: